Carregando Notícia
Saúde

Cuidado! Se você está grávida fique atenta ao sintoma, pois pode ter colestase gestacional e não saber

A condição pode causar sérias consequências durante a gravidez

Se estiver grávida, tome todo cuidado pois você pode ter colestase gestacional e nem saber disso. O nome é tão estranho quanto a origem da condição, que é bastante obscura para os médicos especialistas nesse segmento.

Acredita-se que a incompatibilidade metabólica do fígado tenha um componente genético. Isso pode levar a um acúmulo de sais biliares em todo o corpo.

A colestase intra-hepática da gravidez não tem etiologia definida. Acredita-se que seja um distúrbio multifatorial com influências genéticas, hormonais e ambientais. Por exemplo, um histórico familiar da doença aumenta o risco, assim como outras variantes genéticas.

A condição pode causar sérias consequências durante a gravidez, além de desencadear coceira, a paciente pode ter problemas com o suprimento de oxigênio do bebê e, em casos extremos, até a morte da mãe, explicou o obstetra Eduardo Cordioli. O profissional trabalha no Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo.

Portanto, o início dos sintomas, que podem aparecer no final do segundo trimestre ou início do terceiro trimestre, deve sempre ser comunicado ao obstetra para que o caso possa ser acompanhado de perto a fim de evitar qualquer risco a mãe e ao bebê.

A condição geralmente aparece no terceiro trimestre da gravidez. O problema pode estar relacionado ao aumento do nível de estrogênio, hormônio característico dessa fase, que pode desencadear a colestase da gravidez. Segundo o especialista Francisco Feitosa, a prevalência da doença pode variar entre 0,1% a 2%.

Um dos sintomas mais importantes é a coceira a partir da 30ª semana. O problema piora à noite. Geralmente começa nas solas dos pés e palmas das mãos e se espalha por todo o corpo. Uma mulher grávida pode ter fezes claras, urina escura e pele amarelada. Náuseas, insônia e fadiga podem ocorrer com menos frequência.

O médico geralmente solicita exames de sangue para avaliar determinados detalhes. Dentre eles, a colestase pode ser indicada pela verificação de funções corporais, como índices e alterações relacionadas à fosfatase alcalina, TGP, TGO.

O especialista pode usar um ultrassom abdominal completo para descartar a presença de cálculos biliares. Após o diagnóstico, o médico que acompanha a gestante avalia a gravidade da doença, o que é importante para um acompanhamento rigoroso para controlar a saúde da criança. A função hepática da mulher deve ser monitorada, mas a mãe geralmente não apresenta danos graves.